STEVE JOBS (2015)

jobsTítulo original: Steve Jobs
Título nacional: Steve Jobs
Gênero: Biografia, Drama
Duração: 2h 02min.
Ano de lançamento: 2015
Diretor: Danny Boyle
Roteiristas: Aaron Sorkin, Walter Isaacson
Elenco: Michael Fassbender, Kate Winslet, Seth Rogen
Sinopse: Baseado na biografia do criador da Apple escrita por Walter Isaacson, o longa terá uma estrutura bem peculiar: serão apenas três grandes sequências de 30 minutos cada, retratando momentos importantes de sua carreira; uma sobre o computador Macintosh, outra envolvendo a empresa NeXT e a última sobre o revolucionário iPod.

IMDb | Rotten Tomatoes | Filmow

Será que o cinema precisa de dois filmes sobre Steve Jobs em menos de 3 anos? O diretor Danny Boyle e o roteirista Aaron Sorkins acham que sim.

“Steve Jobs” (Steve Jobs, 2015) possui um formato curioso, mostrando as horas que precederam três grandes momentos da vida de Steve Jobs (Michael Fassbender) – os lançamentos de três de seus produtos (Macintosh, NeXT e iMac), e entre os saltos temporais de um lançamento e outro, há uma montagem com recortes de jornais mostrando o impacto que o idealizador causou no mundo. Pode parecer interessante, mas não é. Essa escolha não permite o desenvolvimento das personagens, e isso acarreta em um outro problema que é o mal aproveitamento do bom elenco.

A câmera segue a todo momento Jobs, mostrando sua interação com algumas pessoas importantes em sua vida profissional e pessoal. São elas: Lisa Jobs, filha de Steve Jobs, interpretada por Makenzie Moss e Perla Haney-Jardine na infância e adolescência respectivamente; Joanna Hoffman (Kate Winslet), assistente pessoal e braço direito de Jobs, Hoffman possui grande importância na vida do fundador da Apple; Steve Wozniak (Seth Rogen), engenheiro que idealizou a Apple junto a Steve Jobs e John Sculley (Jeff Daniels) CEO da empresa.

Os três momentos são simétricos entre si, há uma estrutura que é fielmente seguida no roteiro. Jobs tem uma interação significativa com cada uma das pessoas citadas acima nos três lançamentos, e essas interações seguem determinadas narrativas que revelam nuances da vida do inventor. Isso devido ao ótimo texto de Sorkins, que faz exposições discretas quando necessárias, mas nunca questiona a inteligência de quem assiste. Entretanto, não parece haver coesão entre as histórias, é tudo muito fragmentado. Isso faz com que as personagens fiquem presas a uma estrutura que não permite desenvolvimento particular, deixando-as desenvolver apenas quando interagem com Steve Jobs, e ­­– devido também ao recorte dos lançamentos – as personagens se mantém praticamente uniformes durante toda a projeção. No terceiro ato há uma tentativa de conectar algumas histórias e personagens, mas não é o suficiente para tornar a estrutura narrativa de fato coesa.

As atuações de Michael Fassbender e Kate Winslet merecem destaque. O primeiro entrega uma performance contida e discreta, que vai ganhando peso e importância pelos detalhes e escolhas do ator na construção da personagem. Já a atuação de Winslet é mais solta, em um determinado momento até explosiva. Talvez seja esse o momento que justifica a indicação da atriz na temporada de premiações. É interessante citar também Seth Rogen, que merece créditos por sair de sua zona de conforto e apresentar uma atuação convincente.

Por fim, “Steve Jobs” tem como destaque a atuação de Fassbender e os diálogos de Sorkin, porém a estruturação do roteiro deixa a desejar pois deixa o filme fragmentado demais. A direção de Boyle respeita muito o gênero e por isso não se destaca, a marca do diretor não se faz presente aqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: