1º PRÊMIO MOVIES PUB: MENINOS NÃO CHORAM (1999)

“Meninos não choram” é um filme para quem tem estômago. Dirigido e roteirizado por Kimberly Peirce, em 1999, conta a história de um personagem que se recusa a interpretar o papel social que lhe fora pré-estabelecido, e por isso é duramente reprimido. Sua trajetória é repleta de momentos revoltantes de violência e crueldade.

A história real é ambientada no estado americano de Nebraska, em 1993. Época em que o conservadorismo reinava no local – se é que não reina até hoje. Quase todos os que cruzam o caminho do protagonista Brandon (Hilary Swank) são pessoas intolerantes. Aqui, o machismo e a homofobia enraizados na cultura são os verdadeiros vilões da história.

O motivo de tal tratamento é a chamada crise de identidade sexual de Brandon Teena, que nasceu como Teena Brandon. O garoto sempre se sentiu um peixe fora d’agua em seu corpo feminino. “Você parece um rapazinho” era considerado um elogio para ele. Quando chegou à fase adulta, seu plano era tornar-se homem de uma vez por todas. O problema é que os hormônios são caros, e os procedimentos cirúrgicos são complexos demais.

Pode demorar muito até que a tão sonhada transição seja concluida. Pra que esperar? A vida é curta demais, por isso Brendon resolve passar a viver como um homem. Mas a compreensível insegurança faz com que ele opte por ocultar a verdade de todos ao seu redor.

É justamente enquanto vive essa farsa que o protagonista encontra um círculo social que lhe agrada. Diante disso, ele não poupa esforços para ser incluido. Essa busca por aceitação acaba levando Brendon a tomar muitas decisões questionáveis, tornando angustiante para o espectador a experiência de acompanhar essa narrativa. A cena em que ele arrisca sua vida para perseguir uma garota debochada na estrada à noite ilustra esse aspecto.

É também durante essa fase que Brendon conhece Lana (Chloe Sevigny), uma garota que faz seu coração bater mais forte. A união dos dois simplesmente faz sentido. Ela lhe oferece algo que ele não havia vivenciado até então: compreensão, livre de julgamentos. Esse sentimento é a chave para entender os motivos de Brandon ao optar por permanecer em um ambiente que se tornava cada vez mais hostil e perigoso.

“Meninos não choram” é um filme muito mais pautado na emoção do que em qualquer qualidade técnica ou inovação narrativa. O lado humano fala mais alto. Nosso ponto de identificação com o protagonista é sua necessidade de viver novas experiências, bem como suas inseguranças e todos os inevitáveis erros que elas geram.

Brendon Teena é um homem que sofreu. Não apenas pelo que fazia, mas também pelo que era. As constantes punições que a vida parecia lhe aplicar eram aceitas com uma resignação interpretada de forma brilhante por Hilary Swank – que realmente viveu como homem durante um período para se preparar. Esforço que foi devidamente recompensado com um Oscar de melhor atriz.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: