CRÍTICA: MENTES SOMBRIAS (2018)

Não é primeira (muito menos a última) vez que vemos a velha Jornada do Herói misturada ao drama adolescente romântico. Desde que o fenômeno Harry Potter avassalou o mundo do entretenimento, e deu muito dinheiro para os envolvidos, as editores e estúdios tentam encontrar uma saga que seja igualmente impactante. Com isso, parece ter nascido uma nova escola de produções literárias ou cinematográfica. Entre os “discípulos” de J.K. Rowling, alguns conseguiram fazer algo competente, outros foram apenas repetitivos e clichês. “Mentes Sombrias” encontra-se praticamente no meio termo, pelo menos em sua adaptação cinematográfica.

Num futuro distópico, quase todas as crianças do planeta morrem de uma doença misteriosa. As poucas sobreviventes adquirem poderes sobrenaturais de diferentes naturezas e, obviamente, são perseguidos pelo governo. É nesse contexto que a trama nos apresenta Ruby (Amandla Stenberg), uma das sobreviventes que se encontrava perdida da família e presa num campo de concentração. Após descobrirem que seus poderes são perigosos demais, ela decide fugir para não ser morta e então precisa decidir entre se juntar a Liga, uma organização secreta de resistência contra o governo, ou viajar junto com Liam (Harris Dickson), Chubs (Skylan Brooks) e Zu (Miya Cech), um grupo de sobreviventes que tenta encontrar o Slipkid, um rapaz que supostamente fundou uma colônia secreta de jovens superpoderosos.

the darkest mindsEssa premissa inicial é apresentada de forma apressada, mas é o suficiente para deixar o expectador curioso e interessado nos acontecimentos seguintes. O grande problema da diretora novata Jennifer Yuh Nelson, é que ela nos leva para um lugar comum e pouco original, explorando clichês, estereótipos e uma cinematografia mais básica possível. O filme aparenta ser uma mistura de “Jogos Vorazes” e “X-Men” o que o torna divertido, porém previsível. A boa atuação do elenco e fato do roteiro ir direto ao ponto sem ficar se enrolando em minúcias, torna a experiência minimamente agradável ainda que você sinta que já viu aquilo antes. Esse lugar comum e confortável. no qual o filme se encontra, pode muito bem agradar um público menos exigente mesmo sem acrescentar nada de novo ao gênero.

É importante dizer que alguns detalhes poderiam tornar filme realmente bom se tivessem sido feitos de forma diferente. O quarteto principal tem muito carisma e consegue entregar bem as emoções, portanto não teriam dificuldade caso o roteirista Chad Hodge quisesse ter se aprofundado mais na psiquê dos personagens. Além disso Mandy Moore, Bradley Whitford e Gwendoline Christie também estão no elenco e são mal aproveitados, sem contar com Patrick Gibson, que traz um vilão fraco. Outro ponto é o aproveitamento dos superpoderes das crianças, principalmente os de Chubs, que poderiam ser mais explorados, principalmente nas cenas de ação. Por fim, a trama ainda tenta falar sobre assuntos complexos, como racismo, liberdade, sexualidade e política, mas nem arranha a superfície da discussão. Esses pontos poderiam ter engradecido ainda mais o terceiro ato do filme, que é bom e nos deixa relativamente curiosos em relação a uma sequência.

Pouco original e sem muito a acrescentar o longa não tem medo de parecer derivado e faz referências claras aos blockbusters e best-sellers, que lhe serviram de inspiração. Até por isso consegue, surpreendentemente, entregar uma história razoável que deve agradar o seu público alvo. O fato de ser dirigido por uma novata e estar imerso em um gênero bastante saturado deixa mais difícil transformar a franquia em algo realmente grande e prender a atenção dos espectadores. Ainda assim, trabalhando melhor alguns detalhes em futuras (possíveis) sequências, “Mentes Sombrias” pode até encontrar o seu lugar ao sol em meio a esse mar de distopias adolescentes.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s