CRÍTICA: “O ÓDIO QUE VOCÊ SEMEIA” (2018) – A TRISTE REALIDADE ESTRUTURAL

Um jovem negro é morto por ter sua escova de cabelo confundida com uma arma. Uma comunidade é refém do tráfico que a permeia. Brancos não reconhecendo seus privilégios. Todas essas questões fazem parte do roteiro impecável que compõe o filme “O Ódio que Você Semeia”. A obra, baseada no livro homônimo de Angie Thomas e dirigida por George Tillman Jr., é um soco no estômago, que poderia ser apenas ficção, mas vai muito além, sendo projetada na realidade. Continuar lendo “CRÍTICA: “O ÓDIO QUE VOCÊ SEMEIA” (2018) – A TRISTE REALIDADE ESTRUTURAL”

FRAGMENTO INQUIETO: HOLLYWOOD PARA MENORES

Você se lembra qual foi a última vez que chorou assistindo à um dramalhão no cinema? E qual foi última cena de sexo que você viu em detalhes na tela grande, consegue dizer? Provavelmente ou isso aconteceu nas décadas passadas ou você não assistiu às grandes bilheterias dos últimos anos. Acontece que os filmes de temáticas adultas foram praticamente abolidos de Hollywood nesta década. Repleta de franquias, animações e ficções científicas, o cinema mainstream da década de 2010 moldou-se ao seu público; um público escapista e, até mesmo, casto.

Continuar lendo “FRAGMENTO INQUIETO: HOLLYWOOD PARA MENORES”

CRÍTICA: “TED BUNDY: A IRRESISTÍVEL FACE DO MAL” (2019) – OMISSÃO EM CENA

Atualmente, é perfeitamente possível identificar Charles Manson como a figura que inseriu assassinos em série na cultura pop – por mais estranho e desumano que isso soe. Ele pode não ter assassinado Sharon Tate, esposa do diretor Roman Polanski, com suas próprias mãos, mas, a partir de suas ideologias que alimentavam diversos seguidores, o grupo “Família Manson” assassinou diversas pessoas com o intuito de causar uma guerra entre negros e brancos. Para Manson, os brancos se sobressairiam como soberanos. Os crimes ganharam repercussão internacional e, desde então, têm ganhando adaptações cinematográficas: o próximo filme de Quentin Tarantino, “Once Upon a Time in Hollywood”, contará a história de Manson e o assassinato de Tate. Além disso, a recorrência da temática aparece em filmes consagrados, como “O Silêncio dos Inocentes”, dirigido por Jonathan Demme, e séries como Mindhunter, desenvolvida por Joe Penhall.

Continuar lendo “CRÍTICA: “TED BUNDY: A IRRESISTÍVEL FACE DO MAL” (2019) – OMISSÃO EM CENA”

CRÍTICA: “LOJA DE UNICÓRNIOS” (2017) – MAIS ‘SESSÃO DA TARDE’ NA SUA NETFLIX

Antes de se tornar uma super-heroína nos filmes da Marvel/Disney, Brie Larson fez sua estreia como cineasta produzindo e dirigindo “Loja de Unicórnios” para a Netflix. Inicialmente, a produção não causou muito alarde entre os assinantes, porém, com a estreia de “Capitã Marvel”, em 2019, as coisas mudaram, uma vez que, além de Larson, o elenco de “Loja de Unicórnios” contava com Samuel L. Jackson. O filme foi puxado das profundezas do serviço de streaming e atingiu muitos espectadores. Continuar lendo “CRÍTICA: “LOJA DE UNICÓRNIOS” (2017) – MAIS ‘SESSÃO DA TARDE’ NA SUA NETFLIX”

CRÍTICA: SHAZAM (2019)

Não é exatamente difícil perceber a diferença entre filmes que tem ou não tem a influência do não mais aclamado Zack Snyder. Os filmes em que o diretor de “Watchmen” (2009) se envolveu receberam uma resposta negativa tanto da crítica quanto do público. Já os filmes sem seu envolvimento obtiveram reações contrárias, crítica e público estão conseguindo enxergar, literalmente, o que acontece em tela e, finalmente, apreciar produções fílmicas que irão estabelecer a base que o universo DC merece no cinema. “Shazam”, dirigido por David F. Sandberg, ganha destaque ao fugir totalmente do moldado por Snyder e dar um passo além, especificamente no humor, pelo que foi construído em “Mulher Maravilha” (2017) e “Aquaman” (2018). Continuar lendo “CRÍTICA: SHAZAM (2019)”

CRÍTICA: VICE (2018)

A grande dificuldade em se fazer filmes biográficos reside no fato de que, na maioria das vezes, a vida real não é tão interessante quando a ficção, ainda mais quando a pessoa escolhida é alguém extremante sem carisma como o ex-vice-presidente dos EUA Dick Cheney. No entanto, até a mais monótona das histórias pode se tornar interessante e divertida nas mãos de quem sabe conta-las. Continuar lendo “CRÍTICA: VICE (2018)”