LITERATURA: O OLHO MAIS AZUL (1970)

O olho mais azul conta a história de uma menina negra que foi humilhada e inferiorizada por todos que a cercaram durante toda a sua vida. Pecola, a personagem principal, cresceu observando meninas brancas de olhos azuis recebendo o amor e o carinho que tanto lhe foi negado e, por isso, acreditava que se tivesse tais características o mundo a veria de outra forma e todos os seus problemas seriam resolvidos. A narrativa é fragmentada e em cada momento é apresentado ao leitor a história de um personagem até o momento em que sua vida cruza com a de Pecola. Continuar lendo “LITERATURA: O OLHO MAIS AZUL (1970)”

Anúncios

LITERATURA: COMO PARAR O TEMPO (2017)

Escrito por Matt Haig e publicado no Brasil pela Harper Collins, em 2017, Como parar o tempo é o tipo de livro que tem a capacidade de deixar o leitor envolvido do início ao fim, sem perder o ritmo e sem se tornar clichê, embora apresente temas que constantemente são trabalhados e apresentados a partir dessa visão em outras obras. Continuar lendo “LITERATURA: COMO PARAR O TEMPO (2017)”

LITERATURA: TRIFLES (1916)

Este texto contém spoilers.

Quando pensamos em peças teatrais somos, imediatamente, guiados pelo percurso shakespeariano que domina agendas culturais desde muito antes do período vitoriano. Dramaturgos como Sófocles e Eurípedes, há mais de 2400 anos, já haviam estabelecido o teatro como parte do mundo dos homens. Esse corpo social ganhava destaque não apenas em relação ao enredo, mas, também, em relação à encenação nas arenas gregas: não era permitido que mulheres atuassem, portanto, homens as representavam em cena. Susan Glaspell, em 1916, nos entrega Trifles, uma peça sobre empatia feminina e ajuda a quebrar esse cenário com uma obra digna de muitas adaptações. Continuar lendo “LITERATURA: TRIFLES (1916)”

LITERATURA: A VELOCIDADE DA LUZ (2002)

“Talvez isso seja a literatura: a arte de revelar enquanto se esconde e de esconder enquanto se revela.”, disse Javier Cercas e é exatamente isso o que o escritor espanhol faz em A velocidade da luz. A obra conta a história de um espanhol aspirante a escritor que recebe um convite para lecionar em uma universidade nos Estados Unidos, na cidade de Urbana, no final dos anos 80. Lá, o narrador, cujo nome não é revelado, divide sala no departamento de Letras com um homem excêntrico, culto e ex-combatente de guerra chamado Rodney Falk.  Continuar lendo “LITERATURA: A VELOCIDADE DA LUZ (2002)”

RESENHA: VÁ, COLOQUE UM VIGIA (1960)

Nada pode deixar o fã de uma obra (filme, série ou livro) mais animado do que o anúncio da continuação de uma história que conquistou o seu carinho e admiração. E não foi diferente com Vá, coloque um vigia. Segundo livro de Harper Lee, a obra, publicada 50 anos após a publicação do primeiro livro da autora, surge com a proposta de ser a continuação de O sol é para todos (já resenhado aqui). Em meio a várias polêmicas envolvendo sua publicação, como o estado de saúde da autora e até mesmo controvérsias quanto a sua autoria, Vá, coloque um vigia é um livro que dividiu e continua dividindo opiniões.

Continuar lendo “RESENHA: VÁ, COLOQUE UM VIGIA (1960)”

RESENHA: BARTLEBY, O ESCRIVÃO (1853)

“Bartleby, o Escrivão”, foi publicado pela primeira vez, anonimamente, em 1853. O nome do autor desta verdadeira crítica ao capitalismo, Herman Melville, foi descoberto somente em 1856, três anos após a primeira publicação do conto. A história nos é contada a partir da perspectiva de um advogado inominado, nosso narrador personagem, que afirma não existir material o suficiente para que apresentar uma biografia de Bartleby. É sob essa ótica, a ótica do que não se sabe, do que não fora dito, que Melville nos conduz por Wall Street, demonstrando as consequências provocadas pelo capitalismo, sendo a desumanização dos sujeitos a pior delas. Tratando-se de um personagem extremamente misterioso, Bartleby é passível a diversas interpretações. Para o desenvolvimento desta análise, é importante, portanto, considerar que nada a respeito de Bartleby pode ser afirmado, apenas sugerido. Continuar lendo “RESENHA: BARTLEBY, O ESCRIVÃO (1853)”